Saiba tudo sobre o Sistema Tributário Nacional
Atendimento via chat

Saiba tudo sobre o Sistema Tributário Nacional

Reading time: 6 mins

O Brasil é mundialmente conhecido pelo complexo, burocrático e elevado sistema tributário, destacando-se como um dos países com a carga tributária mais alta do mundo. Como se não bastasse essa afirmação, em grande parte das vezes os impostos também não são aplicados de forma justa à população.

Seja como pessoa física ou jurídica, a carga tributária é pesada e ainda há um agravante no caso das empresas: as obrigações fiscais e legais geram ainda mais impostos e, se não forem pagas, podem fazer não somente com que a empresa tenha que fechar as portas, mas também que o seu responsável legal tenha os bens confiscados para pagar a dívida. O Fisco é extremamente rígido quanto a isso e não há como fugir.

Ou seja, em suma, nós vivemos sobre um sistema tributário financeiramente agressivo. Por isso, no artigo de hoje separamos uma série de informações importantes a respeito do Sistema Tributário Nacional que você não pode deixar de conferir!

O que são os impostos?

Impostos são valores pagos ao Governo por pessoas físicas e jurídicas, em dinheiro, na moeda local, e que servem para custear parte das despesas administrativas, de serviços básicos (como saúde, educação e segurança) e de investimentos em obras de infraestrutura. Os tributos são recolhidas de diversas formas, entre elas: impostos municipais, estaduais e federais.

Podem ser cobrados indiretamente, como o ICMS e o IPI, ou também podem ser tributados diretamente da renda de empresas e trabalhadores, como é o caso do Imposta de Renda de Pessoa Física ou Pessoa Jurídica.

Além disso, existem impostos, como o IOF, que são tributados sobre movimentações financeiras, impostos sobre propriedade de bens – como o IPTU para imóveis e o IPVA para veículos – e também há aqueles sobre importações, doações, heranças, entre outras transações que movimentem receita.

O que é taxa?

É a cobrança com relação direta a um serviço prestado, como, por exemplo:

  • Iluminação pública;
  • Energia elétrica;
  • Fornecimento de água;
  • Trabalho da polícia;
  • Entre outros.

O que é contribuição de melhoria?

Como o próprio termo já diz, é uma cobrança destinada a custear obras de utilidade pública, como a construção de uma praça, asfaltamento em uma rua e assim por diante.

Para que servem os impostos?

Seus valores não são baixos e a quantidade em que existem nos leva a questionar: para que servem tantos impostos? Basicamente, como descrito acima, para custear despesas públicas, como salários, prestação de serviços à população e obras estruturais.

Não há como discriminar a vinculação exata de cada imposto recolhido, pois sua destinação acontece conforme a proposta orçamentária é direcionada pelo Poder Executivo, seja um imposto municipal, estadual ou federal.

Banner_Blog_Sage-One_sem-limite

Como reduzir a carga tributária em minha empresa?

O primeiro passo é procurar enquadrar seu negócio em um regime tributário adequado. Atualmente contamos com três regimes tributários diferentes, sendo eles:

  • Lucro Real;
  • Lucro Presumido;
  • Simples Nacional.

Lucro Real

Neste regime tributário, a contribuição social e o imposto de renda sobre o lucro são determinados conforme o lucro contábil da empresa, com acréscimos de ajustes requeridos pela legislação fiscal.

PIS e COFINS também são determinados conforme o regime não cumulativo.

Lucro Presumido

A tributação do imposto do IRPJ (imposto de renda de pessoas jurídicas) e a CSLL (contribuição social sobre o lucro líquido) são simplificadas. Porém, há um limite de receita bruta para a empresa enquadrada nesse regime tributário, que desde 2014 é de até R$ 78 milhões por ano.

Vale lembrar também que as empresas tributadas pelo Lucro Presumido não têm direito aos créditos do PIS e da COFINS, porque não se enquadram no sistema não cumulativo. Mas as alíquotas sobre as suas contribuições são mais baixas do que as exigidas pelo Lucro Real.

 

Simples Nacional

É o regime tributário que microempresas (MEI) e empresas de pequeno porte têm direito. Suas normas simplificam o cálculo de recolhimento do IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, ICMS, ISS, IPI e Contribuições Previdenciárias.

No entanto, também há uma limitação de receita bruta anual: desde 2013, empresas que faturam até R$3,6 milhões por ano têm direito a se enquadrar no Simples Nacional.

Algumas atividades ou formas societárias também estão restringidas de poder adotar o regime do Simples, como:

  • Pessoas jurídicas constituídas como cooperativas (exceto as de consumo);
  • Empresas cujo capital tenha participação de outra pessoa jurídica;
  • Pessoas jurídicas cujo sócio ou titular seja administrador de outra pessoa jurídica com fins lucrativos (a menos que a receita bruta global não ultrapasse o limite).

O que você acha do Sistema Tributário Nacional? Acredita que as alíquotas sobre os impostos que pagamos todos os dias são justas? Deixe sua opinião fazendo um comentário no post!

 

 

 

Tudo sobre emissão de Nota Fiscal

Dia da nota fiscal | Tudo o que você precisa saber sobre emissão de NFe

Reading time: 6 mins

A nota fiscal pode até ser ignorada por boa parte dos consumidores. Mas para empreendedores,…

prazos-de-pagamento

Administrando prazos de pagamento x prazos de recebimento

Reading time: 5 mins

Uma das responsabilidades de maior importância para um gestor é, sem dúvidas, controlar o fluxo…

partilha-do-icms

Integração bancária: saiba como exportar um extrato no formato OFX

Reading time: 4 mins

Fazer a gestão financeira de uma empresa é uma tarefa que exige muita responsabilidade e…